Américo Vilalba, por ele mesmo

O que faz Américo Vilalba às 3 da manhã naquela meia luz, um copo de gim, sua inspiração? A solidão o afaga. Em frente, papeis, canetas e lamentações.
O que faz Américo Vilalba, em sua sempre nublada escrivaninha? Vida vivida por choros e lembranças sonhadas, revoltado por não ter mais tempo de entender.
Será que foi apenas um sonho? Uma vida inteira sem ter vivido um dia sequer? Este é o seu questionamento e tormento.
Linhas e mais linhas de melancolias, escrita com a mão trêmula de pavor. Mais um copo transborda o vazio em que se resume toda a sua espera. Quem sabe assim, Américo consiga esquecer-se. Esquecer o nunca vivido, mas como poder esquecer tanto assim, a ponto de negar-se? Tristeza? Não, falta de crença mesmo.
O que faz Amério Vilalba? Quando se descobre, escolhe desistir.

Um comentário:

Malabarista disse...

Américo Vilalba revira sua alma, feita de algas. (?)